domingo, 12 de março de 2017

desejo


eu mato o desejo
ou ele me mata?
me maltrata
me arrebata
me desgraça
me arregaça
e embaraça
meu cabelo e o meu ser

eu sinto o desejo
ou ele me sente?
que de frente
de repente
vem, me rende
me apreende
e a cabeça
se arrepende
ao notar o que pensou

mas se foge
já me fode
porque volta
com mais força
e me força
me destroça
e me deixa abandonada

largada
envergonhada
mas talvez não saciada
e talvez
sem solidez
perco minha lucidez

e corro
e morro
e vivo
e revivo
e volto
e me revolto
pelo desejo no meu ser

mas se afasto
e te afasto
junto a isso te puxo
e sussurro
e me assusto
com o que fui capaz

e me perco
e me acho
junto a um emaranhado
de prazer
e embaraço
com as roupas
no chão

e os dedos
me penetram
como o pensamento
e são você lá dentro
e me fazem gemer
e eu grito de prazer

e depois que tudo acaba
e me resta pura culpa
no desejo que sepulta
a minha moralidade
sobra apenas a verdade:

me culpar por te desejar
não me faz desejar menos

Yasmin Barros

Um comentário:

Milene Cristina disse...

Disputa e entrega. Bom passar aqui.